Biotecnologia

Uso de microrganismos: de volta às leis naturais.

Um dia o homem aprendeu a fazer crescer o pão. E sua vida deu um salto de qualidade. Depois, experimentou deixar fermentar o suco das uvas. E provou as delícias do vinho. Não tinha uma explicação científica, mas estava usando os serviços dos microrganismos que sustentam a vida no planeta. Milênios mais tarde, com os avanços da química, aprendeu a combater os micróbios transmissores de doenças e as pragas, com antibióticos, desinfetantes e venenos cada vez mais potentes. Invenções biocidas que logo mostraram seu lado negativo, com o desequilíbrio ambiental, a morte das águas e do solo. Na década de 60, em vista dos já graves problemas com a deterioração do ambiente natural, os cientistas voltaram-se para outra direção, pesquisando, reproduzindo e aumentando a potência dos meios que a própria natureza criou para sua autopreservação. Foi assim que surgiu a técnica da bioaumentação – literalmente ‘aumento da vida’ – uma palavra nova que traduz uma nova visão de mundo.

Bioaumento: multiplicando a base da vida.

Desenvolvida inicialmente nos EUA, onde a explosão industrial e o consequente inchaço das cidades já exigiam algum tipo de solução autossustentável, a técnica do bioaumento consiste no uso de microrganismos comuns na natureza, selecionados e cultivados em laboratório, para repovoar os efluentes e tentar recuperar solos e águas contaminados e degradados. Comprovada a possibilidade de aplicação segura dessa técnica, vários institutos e laboratórios formaram equipes altamente capacitadas para pesquisar, selecionar e testar, entre os milhares de microrganismos conhecidos, as espécies mais eficientes para cada tipo de trabalho. Tendo o cuidado de desenvolver cepas naturalmente puras, sem nenhuma possibilidade de alterações genéticas ou contaminação por organismos patogênicos. Os microrganismos usados nas fórmulas de Enzilimp são produzidos por um desses laboratórios pioneiros, hoje com 40 anos de experiência. E o pioneirismo se repete na história da Millenniun: Enzilimp foi o segundo produto do gênero, em todo o país, a obter o registro no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Biorremediação: o saneamento vivo.

A natureza é perfeita: traz em si mesma a solução para todos os problemas. Mas para isso precisa ter suas leis respeitadas. O abuso continuado, com o despejo de toneladas diárias de detritos, precisa uma ação também contínua, visando não só a correção, mas também a prevenção de danos ambientais. Os tratamentos biológicos, à base de microrganismos, respondem plenamente a essas exigências. Por isso receberam o nome de biorremediação – o remédio vivo, que se auto-reproduz para agir, sempre, com a intensidade necessária à degradação do volume de matéria orgânica existente. Devolvendo à natureza um efluente limpo, a biorremediação preserva a qualidade de cursos d’água, solos e, até mesmo, lençóis freáticos. Esta é a biotecnologia utilizada em toda a linha de produtos Enzilimp.

Veja como os microrganismos agem dentro das tubulações, fossas e lagoas.

Nossos Clientes

2ª VIA DE BOLETO

Dicas Úteis

Conserte os vazamentos e não deixe a torneira pingando.

Parceiros

SENAI RS Instituto Federal Rio Grande do Sul CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Casa Ronald MacDonalds - Rio de Janeiro

Segurança ao Meio Ambiente

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBD Certificações ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária